Notícias 26/12/2013 - Quinta-feira

Papel x Umidade

O papel é composto, quase na sua totalidade, por celulose, componente vegetal extraído da madeira, que possui características higroscópicas. A higroscopia é definida como a propriedade que certos materiais possuem em absorver a água proveniente da umidade ambiente.

Todo o papel é fabricado com um conteúdo de umidade o qual pode estar mais seco (SAMALASER) ou mais úmido (SAMAPRINT, SAMAGLOSS, SAMABOND e SAMAKRAFT). Durante o manuseio do papel, são necessários cuidados quanto à exposição do papel a umidade relativa do ambiente. Todo papel, seja bobina ou folhas, pode absorver a umidade relativa do ambiente se esta estiver muito elevada.

As embalagens do papel Santa Maria, tanto as resmas quanto bobinas, possuem em sua composição polietileno, que protege o papel da exposição direta a umidade. Mesmo assim algumas recomendações são importantes antes de utilizar o papel:

– Todo papel, ao ser recebido, deve ser ambientado no local de utilização por um período de 24 a 48 horas. Condições diferentes de temperatura e umidade relativa do ar em ambientes diferentes tais como: estoque do fornecedor, estoque na gráfica, caminhão de transporte do fornecedor ao cliente, por exemplo, podem gerar choques térmicos, absorção ou perda de umidade causando problemas como rugas, ondulações, encanoamento, fuga de registro de impressão entre outros.

– Abrir as embalagens do papel somente no momento da utilização do papel. Todo papel que sobrar e não for utilizado de imediato deverá ser reembalado para proteção contra exposição à umidade.

– As condições ideais para estocagem e trabalho com o papel são:

Temperatura entre 20 e 25 °C.

Umidade relativa do ambiente entre 45 e 60 %.

Não é somente a umidade relativa do ambiente elevada que afeta o bom desempenho do papel. Ambientes extremamente secos também podem gerar problemas, tais como:

Encanoamento – As fibras perdem umidade para o ambiente tendendo a contrair, gerando o encurvamento do papel.

Estática – Quanto mais seco o ambiente maior será a tendência para formação de eletricidade estática que causará embolamentos e pilhas mal batidas durante a utilização.

Quebra no vinco – Papéis de gramaturas mais elevadas (acima de 150 g/m²) possuem tendência de rasgar nas dobras devido à perda de umidade do papel.

Para os casos de ambientes secos, a umidificação do ambiente e a instalação de barras antiestáticas (quando o problema for estática), são recomendadas.

Portanto, quando for utilizar o papel esteja atento, os cuidados aqui apresentados, com certeza, ajudarão a reduzir perdas e transtornos nos processos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


− seis = 3