Notícias 25/07/2007 - Quarta-feira

Tecnologia florestal gera resultados positivos

Controle biológico é exemplo de diminuição de praga

Uma das maiores preocupações da Santa Maria diz respeito ao desenvolvimento das tecnologias utilizadas para o alcance do melhor produto. No setor de reflorestamento, não é diferente. Para que a produção de florestas de qualidade seja alcançada, a equipe do centro de pesquisa e desenvolvimento trabalha em ações de tecnologia florestal capazes de melhorar a qualidade dos povoamentos florestais.
Um dos exemplos disso é o sucesso do controle biológico da vespa-da-madeira Sirex noctilio, um inseto originário da Europa, Ásia e Norte da África, e que, no Brasil, colocou em risco quase dois milhões de hectares de Pinus taeda. O prejuízo é causado pelas larvas do inseto, que se alimentam dos tecidos da planta e formam galerias na madeira. A praga pode levar a árvore à morte, resultando em prejuízos financeiros, além dos danos estéticos. Outros sintomas do ataque da vespa são respingos de resina; amarelecimento da copa e manchas azuladas.

Métodos de controle

As medidas preventivas para o controle da vespa são o manejo adequado da floresta – com a realização de desramas (podas) e desbastes na época certa (inverno); a eliminação de possíveis focos; a secagem da madeira após o corte e a fiscalização do transporte. Detectada a presença das vespas deve ser iniciado o controle biológico com o uso de nematóides (vermes) que são distribuídos pela Embrapa (Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária).

Uma vez inoculados nas árvores, os nematóides são consu-midos pelas larvas e instalam-se no aparelho reprodutor das fêmeas, que ficam estéreis. O ciclo se repete na postura de novos ovos com os nematóides. O manejo adequado da floresta, com a utilização de espaçamentos e desbastes adequados, também efetuado pela Santa Maria.

Deixe um Comentário

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*


+ sete = 16